RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM

RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM
RIO GRANDE DO NORTE

quarta-feira, 3 de maio de 2017

LULA VAI À GUERRA.

O ex-presidente Lula é mesmo um discípulo de Raul Seixas. Ele prefere mesmo “ser essa metamorfose ambulante”. Na entrevista que deu na quarta-feira (26) ao jornalista Kennedy Alencar, no SBT, Lula apresentou o figurino com que pretende se vestir para as eleições de 2018. Sai de cena completamente o “Lulinha paz e amor” criado para as eleições de 2002. Em seu lugar, entra um certo “Lulão guerra e raiva”. É um perfil de fera acuada. De alguém que quer passar a ideia de que é vítima de uma violência, organizada, na narrativa que ele constrói, por certa elite que trabalha para reverter os ganhos sociais que a classe menos favorecida obteve durante os governos petistas, especialmente os dois governos dele.
Sem discutir aqui as eventuais razões que Lula possa ter ou não, vai-se construindo um personagem, para as novas circunstâncias, bem diferente do personagem que se construiu para as circunstâncias de 2002. Naquela ocasião, o PT, após as seguidas derrotas que Lula sofreu nas eleições presidenciais desde 1989, baseou em grande parte o figurino de Lula nas constatações feitas pelo cientista político e jornalista André Singer em seu livro Esquerda e Direita no Eleitorado Brasileiro. Singer foi o primeiro porta-voz de Lula no início do seu governo. No livro, publicado pela Edusp, Singer mostra, a partir de análises e estudos estatísticos, que as camadas mais baixas da população eram majoritariamente conservadoras e tinham dificuldade em entender o discurso da esquerda. Diz Singer que tais grupos muitas vezes enxergavam o discurso de “luta” de movimentos sindicais e de esquerda como “bagunça”. Foi a partir desse estudo que começou a se formar na época a ideia do Lulinha Paz e Amor.
Na época da campanha de 2002, Lula chegou a lembrar a figura do João Ferrador, um bonequinho que era símbolo das greves do ABC onde o PT começou a nascer. Com cara enfezada, o João Ferrador costumava ter como bordão a frase “Hoje, eu não tô bom”. Lula, então, esbanjava simpatia e sorrisos, dizendo que estava superada a época do João Ferrador.
E a figura do Lulinha Paz e Amor vinha ancorada ao discurso de que não daria “cavalo de pau na economia”, algo que se resumiu na Carta aos Brasileiros.
Agora, o novo Lula avisa a Kennedy Alencar que o mercado financeiro deve temer a sua volta. O mesmo Lula que, como presidente, foi alvo no início do seu primeiro governo de várias críticas do seu vice-presidente José Alencar que, seguidamente, reclamava das taxas de juros que eram praticadas pela equipe econômica do então ministro da Fazenda, Antonio Palocci.
Assim, não se espere grande coerência com o passado na nova estratégia. Ela é uma adaptação à nova realidade. Lula não apenas disputa a eleição. Ele também precisa responder às acusações de que é alvo na Operação Lava-Jato. Há, portanto, aí também uma estratégia de defesa. Que passa por tentar pontuar que o juiz Sergio Moro teria contra ele um posicionamento político. De acusá-lo sem provas porque não quer vê-lo de volta à Presidência. E de que isso faz parte de um plano para evitar o retorno ao poder de quem quer promover mudanças sociais e se preocupa com os mais pobres.
Vamos precisar acompanhar como os eleitores reagirão ao novo figurino de Lula. Hoje, as pesquisas o mostram imbatível na preferência da população. Mas é preciso observar que tudo o que foi apontado por André Singer naquele seu livro anterior a 2002 de certa forma repete-se na pesquisa recente da Fundação Perseu Abramo. Se a periferia de São Paulo reflete a forma de pensar do restante da população brasileira mais baixa, ela continua igualmente conservadora e igualmente despolitizada. Ela aceitará de fato agora um Lula enfezado? Ou, de novo num discurso de polarização, acontecerá com Lula o que aconteceu nas eleições anteriores a 2002, em que, embora competitivo, acabou derrotado?

Fonte: Rudolfo Lago/Os Divergentes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTÁRIO SUJEITO A APROVAÇÃO DO MEDIADOR.