RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM

segunda-feira, 6 de julho de 2020

MESMO COM PRAZO MAIOR, 60% DOS DIRETÓRIOS DE PARTIDOS DEIXAM DE PRESTAR CONTAS

Mesmo com um prazo maior neste ano, seis em cada dez diretórios de partidos políticos do País não informaram como usaram o dinheiro público que receberam em 2019. O limite para entregar as prestações de contas, inicialmente previsto para abril, acabou na terça-feira passada, dia 30. Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que das mais de 100 mil unidades das legendas nos Estados e nos municípios, 59.634 estão inadimplentes – não enviaram qualquer dado ou fizeram apenas parcialmente.
Ao todo, o TSE distribuiu R$ 927 milhões às 33 siglas no ano passado via Fundo Partidário. O dinheiro é repassado em parcelas mensais para bancar custos como aluguel de sede, salário de funcionários e também as campanhas eleitorais – cabe ao comando nacional de cada uma definir a quantia que destinará aos seus diretórios.
O porcentual de inadimplência registrada neste ano é maior que o de anos anteriores. Como mostrou o Estadão no mês passado, 41,3% dos diretórios partidários não apresentaram os dados relativos a 2017. De 2018, o índice dos que deixaram de prestar contas foi de 50,7%.
Cúpulas partidárias alegam que orientam os responsáveis pelos diretórios locais a cumprir os prazos da Justiça Eleitoral, mas ressaltam que cada unidade tem independência. Além disso, destacam que a maior parte das unidades que não entregam as prestações é sem movimentação financeira – mesmo assim, precisam informar a Justiça Eleitoral que não receberam nada.
Advogado de partidos políticos de São Paulo, Ricardo Porto afirma que a nova modalidade de prestação de contas, exclusivamente por meio de um sistema eletrônico, tornou-se uma dificuldade extra a diretórios com pouca estrutura física e de pessoal.
"A maioria (dos que não prestam contas) é de órgãos municipais, e a imensa maioria sem movimentação financeira, sem movimentação do Fundo Partidário e sem recursos privados. Acreditamos que os partidos, muito embora não tenham observado o prazo, tendem a, nos próximos dias, ainda que com atraso, apresentar as prestações de contas", afirmou o advogado, que presta serviços a partidos como DEM, MDB, PL e PV.
Para a secretária-adjunta da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep), Denise Goulart Schlickmann, a declaração de não movimentação financeira é tão importante quanto qualquer outro relatório contábil, uma vez que a Justiça Eleitoral apura a consistência da informação da mesma forma.
Pela regra em vigor, o diretório que não declara a sua movimentação financeira à Justiça Eleitoral fica impedido de receber novas parcelas do Fundo Partidário, mas o bloqueio pode ser revertido caso a prestação seja apresentada mesmo após o prazo.
LEIA MATÉRIA COMPLETA AQUI

Fonte: Vinícius Valfré/Estadão
Foto: Daniel Teixeira/Estadão


JANDUIS: INTEGRANTES DO PSOL REUNIRAM-SE PARA TRAÇAR METAS

Os membros do PSOl de Janduís, reuniram-se na tarde de ontem, na câmara de vereadores daquele município, para definir alguns pontos que haverão de seguir, visando o pleito municipal.
São 12 pré-candidatos ao cargo de vereador, e, dentre estes o radialista Rogério Silva, que goza de grande reconhecimento por parte da população.
Rogério nunca disputou mandato eletivo, mas deve pleitear uma cadeira no parlamento janduiense. 
A grande incognita é quem deverá ser o cabeça de chapa da majoritária. O ex-prefeito Salomão Gurgel, segundo informações, é o mais cotado para o embate. Correndo por fora, três vereadores podem aparecer como integrante de chapa, até mesmo disputando o cargo de prefeito.

IMUNIDADE AO CORONAVIRUS PODE SER MAIOR DO QUE INDICAM TESTES, DIZ ESTUDO

Para cada exame com resultado positivo para anticorpos contra o coronavírus, dois tinham células de defesa com capacidade de destruir células infectadas.

Um estudo sueco apontou que pessoas que tiveram resultados negativos em testes de anticorpos para o novo coronavírus, a covid-19, podem ter algum nível de imunidade para a doença. A pesquisa, feita pelo Instituto Karolinska, foi realizada com 200 pessoas. A informação foi divulgada pela BBC.
Os pesquisadores observaram que, para cada exame com resultado positivo para anticorpos contra o vírus, dois tinham células T – células de defesa do sistema imunológico – específicas com capacidade para identificar e destruir células infectadas.
Doadores de sangue e pessoas que fazem parte do primeiro grupo de infectados pelo vírus na Suécia estão entre participantes da pesquisa, que apresenta indícios de que o número de indivíduos com algum tipo de imunidade à doença pode ser maior do que os testes para anticorpos apontam. As mesmas células de defesa foram encontradas em casos leves ou em pacientes não manifestaram sintomas da covid-19.
É necessário verificar se a pessoa apenas está protegida contra o vírus ou se isso faz com que ela também não transmita a doença. O estudo ainda não foi publicado em revista científica – nem passou por avaliação de outros cientistas.

Fonte: Estadão/Exame
Foto: Getty Images

VACINAS CONTRA O CORONAVÍRUS SÃO DESENVOLVIDAS MAIS RÁPIDO DO QUE O ESPERADO

Assim que foi verificado o potencial do novo coronavírus de se tornar uma ameaça mundial, no fim de fevereiro deste ano, a estimativa de pesquisadores e especialistas da área da saúde, em especial infectologistas, era de que uma vacina eficaz contra a Covid-19 demoraria entre 12 e 18 meses para ser desenvolvida. Se o ritmo que está sendo seguido no momento pelas empresas farmacêuticas for mantido, porém, o prazo para que se chegue à imunização artificial contra a doença deve ser menor do que o esperado.
Nos Estados Unidos, as empresas AstraZeneca, Johnson & Johnson e Moderna, que recebem financiamento do governo, alegam que devem distribuir os primeiros lotes comerciais de suas vacinas experimentais no final de 2020 ou no início de 2021. Essas são as principais companhias do Operation Warp Speed, plano norte-americano de ter 300 milhões de doses de uma vacina segura e efetiva contra o coronavírus até janeiro do ano que vem.
A Johnson & Johnson afirma que o primeiro ensaio clínico de sua vacina de vetor adenoviral deve começar na segunda quinzena de julho, dois meses antes da previsão inicial. O estudo contará com 1.045 voluntários saudáveis e será conduzido nos Estados Unidos e na Bélgica.
É também em julho que a Moderna planeja iniciar a fase III dos testes de sua vacina, que utiliza uma molécula chamada RNA mensageiro (mRNA). A fase III é a última fase de estudo antes da obtenção do registro sanitário para que seja possível disponibilizar o produto à população. Aqui, o objetivo é demonstrar a eficácia da vacina. Vão participar do estudo 30 mil pessoas, sendo que o objetivo da empresa é produzir 500 milhões ou mais doses por ano.
A Food and Drug Administration [a FDA, agência federal dos EUA] autorizou o prosseguimento dos ensaios clínicos de quatro vacinas separadas e vimos várias vacinas de diversos desenvolvedores aparecerem - estou falando de números de dois dígitos. Temos, portanto, vários tiros ao gol em relação às vacinas. São boas notícias", afirmou o comissário da FDA, Stephen Hahn, ao programa de televisão "Good Morning America",  na última quinta-feira (2).
Nossa expectativa é de que duas dessas vacinas cheguem ao estágio final dos ensaios clínicos, que são grandes ensaios clínicos, no fim deste mês", complementou.

Fonte: Gazeta do Povo
Foto: Douglas Magno / AFP

JOVEM DE 19 ANOS É PRESA EM MOSSORÓ, COM ARMAS LONGAS E MUNIÇÕES

A Polícia Rodoviária Federal prendeu no final da tarde deste domingo (5), no km 9 da BR 405, em Mossoró (RN), uma mulher de 19 anos, por portar ilegalmente duas armas longas e 42 munições., informa a PRF.
‪A ação foi integrado com a Polícia Federal e a Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça.‬
‪Os policiais abordaram uma Van, do tipo Ducato, e nas bagagens dela, que era passageira, encontraram uma espingarda calibre 12, uma espingarda calibre 28, 10 munições calibre 380, 10 munições calibre 32 , quatro munições calibre 28, 16 munições calibre 12, duas munições calibre 44.
Também, R$ 300 em espécie e um celular Android.‬
A ocorrência encaminhada para a Delegacia de Plantão de Polícia Civil de Mossoró.
Estava com a filha de um ano e um mês.







Fonte: Portal da Abelhinha


SURTO DE CORONAVÍRUS FAZ AUSTRÁLIA FECHAR FRONTEIRAS DE ESTADOS MAIS POPULOSOS

Em uma tentativa de conter o surto de Covid-19 registrado em algumas regiões do país, o governo da Austrália anunciou hoje o fechamento das fronteiras entre os dois estados mais populosos — Vitória e Nova Gales do Sul.
É a primeira vez em mais de um século que o país fecha a fronteira estadual. Isso não ocorria desde a pandemia de gripe espanhola, em 1918.
“É uma decisão inteligente e correta neste momento, dados os desafios significativos que enfrentamos para conter o vírus”, afirmou o premiê de Vitória, Daniel Andrews.
A população dos dois estados somados é de 13,9 milhões de habitantes — o que representa mais de 50% dos australianos. A fronteira se estende por mais de 4,6 mil quilômetros.
Nas últimas 24 horas, foram registrados 127 casos confirmados de Covid-19 no estado de Vitória, com uma morte. A Austrália contabiliza 8.586 infecções e 106 mortes causadas pelo novo coronavírus até o momento.
Na semana passada, como noticiamos, 36 regiões da cidade de Melbourne já haviam entrado em lockdown.

Fonte: O Antagonista

SEM FISCALIZAÇÃO DO TSE, SITES DE VAQUINHA ELEITORAL NÃO CUMPRE REGRAS

Na lista das 17 empresas já habilitadas para operar as "vaquinhas" online há páginas que não informam as taxas administrativas e doações recebidas.

Sites de financiamento coletivo de campanhas aprovados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) descumprem regras estabelecidas pela própria Corte, segundo levantamento do Estadão. Sem que haja uma fiscalização do Tribunal, há, na lista das 17 empresas já habilitadas para operar as “vaquinhas” online endereços fora do ar, páginas que nem sequer recebem doação para candidato e outros cujas taxas administrativas e doações já recebidas não são informadas.
Quem entra no site Cédula Real (cedulareal.com.br) não encontra informações da campanha eleitoral. A empresa fundada em 2006 atua, segundo descrição da própria página, exclusivamente com crédito pessoal com garantia de cheque, carnê e débito em conta. Mesmo sem disponibilizar os serviços de financiamento coletivo, ela foi aprovada pelo TSE e aparece na lista das empresas com cadastro deferido para operar o crowdfunding este ano. Os responsáveis pelo site não responderam e-mail enviado pelo Estadão na sexta-feira.
Para ter a aprovação do Tribunal, os donos das plataformas devem fazer um cadastro prévio no site da Corte, preencher um formulário eletrônico e apresentar documentações.
“A Justiça Eleitoral vai analisar a documentação apresentada do ponto de vista formal e, estando tudo em ordem, o TSE defere o cadastro”, afirmou Michel Bertoni Soares, advogado e membro da comissão de direito eleitoral da OAB-SP. “Não quer dizer que o Tribunal testou o sistema da empresa ou homologou o site. A Lei das Eleições não traz como competência ao TSE ser um órgão certificador da atuação dessas empresas.”
Segundo Soares, entre os documentos que precisam ser enviados ao TSE está a declaração do responsável pela empresa de que o sistema utilizado por ele identifica os doadores, permite a divulgação das doações e o atendimento a reclamações dos doadores.
O financiamento coletivo virou modalidade de arrecadação de recursos de campanhas eleitorais em 2017, após a Reforma Eleitoral e dois anos antes de o Supremo Tribunal Federal (STF) proibir a doação de pessoas jurídicas.
Neste ano, a arrecadação de recursos para a pré-campanha começou no dia 15 de maio. O recebimento de tudo o que foi levantado na vaquinha depende da apresentação do registro da candidatura à Justiça Eleitoral. Caso o candidato não faça o registro, o dinheiro é devolvido aos doadores.
O site essentjus (https://app.essentjus.com.br/contribua/andreluisalbino) já havia sido aprovado pelo TSE em 2018. Apesar da experiência, ele deixa de cumprir um requisito citado na resolução da Corte: não cita as taxas administrativas cobradas. Ao fazer uma doação, não é possível saber qual valor chegará ao candidato e qual está sendo cobrado pelo site. A reportagem entrou em contato com o CEO da Essent, mas ele não respondeu até a conclusão desta edição.
LEIA MATÉRIA COMPLETA AQUI

Fonte: Estadão Conteúdo/Exame
Foto: Roberto Jayme/ Ascom /TSE/Flickr

MORRE AOS 55 ANOS DE CORONAVÍRUS, A GINECOLOGISTA DÉBORA FERNANDES

Faleceu na madrugada desta segunda-feira (06), vítima da Covid-19, a ginecologista Débora Fernandes, sobrinha-neta de Dona Lourdes do externato de Caicó.
Dra. Débora estava internada lutando contra a doença há alguns dias.
Deixa viúvo o médico Paulo Fernandes e três filhos.


















Fonte: Heitor Gregório

CHINA SUSPENDE COMPRAS DE MAIS 2 FRIGORÍFICOS BRASILEIROS

Por temor ao coronavírus. Unidades da JBS e BRF.

A China decidiu suspender as importações de mais 2 frigoríficos brasileiros devido ao temor ao coronavírus. Trata-se de duas unidades processadoras de carne suína que pertencem à JBS e à BRF. As informações são da agência Reuters.
Está proibido o embarque de carne de uma fábrica da BRF em Lajeado e de uma da JBS em Três Passos, ambas no Rio Grande do Sul. O documento que indica as suspensões, da Administração Geral de Alfândega da China (GACC, na sigla em inglês) não detalha quais os frigoríficos afetados.
Outras 4 processadoras brasileiras já haviam sido barradas do mercado chinês na última semana. De acordo com o Ministério da Agricultura, foram afetadas unidades da Agra em Rondonópolis (MT); da Margrig em Várzea Grande (MT); da Minuano em Lajeado (RS) e da JBS em Passo Fundo (RS) –esta última já estava com a atividade paralisada por determinação judicial.
Na ocasião, o governo disse que estava em contato com a Administração Geral de Alfândega da China para prestar informações pedidas pelo órgão. “O ministério está mantendo contatos frequentes com a GACC no intuito de prestar as informações requeridas de forma ágil e transparente, mas também para reforçar que as decisões sobre eventuais suspensões de importação devem ser embasadas em informações científicas“, afirmou, em nota.
A China é o principal importador de carne brasileira (bovina, suína e de frango).

Fonte: Poder 360
Foto: Sérgio Lima/Poder 360

PELA PRIMEIRA VEZ, SÃO PAULO TERÁ UMA CHAPA FORMADA COM UMA MULHER TRANS PARA PREFEITURA

Reverenda Alexya Salvador será vice de Sâmia Bomfim, pré-candidata pelo PSOL.

As eleições municipais de 2020, que este ano acontecem em novembro por conta da pandemia do coronavírus, já começaram fazendo história para o movimento LGBT na cidade de São Paulo. Pela primeira vez, uma mulher trans disputa a pré-candidatura a vice-prefeita em uma chapa.
A deputada federal Sâmia Bomfim, que deve concorrer pelo Psol à prefeitura da capital, anunciou neste domingo 05 a reverenda Alexya Salavador como sua vice. A pastora de 39 anos é uma mulher trans, negra, mãe, periférica, professora e cristã.
A paulistana faz parte da ICM (Igreja da Comunidade Metropolitana), congregação evangélica que destoa de outras vertentes por ser aberta à comunidade LGBT.
Em janeiro deste ano, Alexya se tornou a primeira reverenda transexual de uma igreja cristã na América Latina.
As prévias do Psol estão marcadas para acontecer no dia 18 deste mês, de forma virtual. Além de Sâmia e Alexya, Guilherme Boulos e Luísa Erundina disputam a vaga de candidatos à prefeitura da maior cidade do Brasil.

Fonte: Alexandre Putti/Carta Capital
Foto: Wanessa Soares

DONOS DE BARES FAZEM ATO POR REABERTURA EM FRENTE A HOSPITAL COM UTI LOTADA

A Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar) realizou protestos em frente a hospitais de Curitiba, capital do Paraná, neste sábado (4). Eles reagem a uma decisão judicial que proibiu manifestações em frente à prefeitura da cidade e pedem a abertura das linhas de crédito e adiamento do 13° salário para 2021.
Os manifestantes colocaram cruzes em frente ao Hospital Evangélico Mackenzie representando a "morte" dos estabelecimentos em meio à crise financeira gerada pela pandemia de coronavírus. Neste sábado, os 23 leitos de UTI adulta dedicados a pacientes com covid-19 do hospital estão ocupados. Até a sexta-feira (3), Curitiba registrou 172 mortes em decorrência do coronavírus.
"Estamos no pronto socorro dos hospitais, por que nosso setor pede socorro", afirma o presidente da associação Fábio Aguayo.
"Nós respeitamos as vidas, mas nós temos que conciliar a economia com as vidas. Tem gente elouquecendo, passando fome, com a sanidade em risco. Nós pedimos ao ajuda ao setor público", afirmou.
A manifestação acontece em meio à pandemia de coronavírus quando o Brasil é o segundo país em registro de mortes no mundo. No estado do Paraná foram registrados 28.166 casos de infecções por coronavírus e 728 mortes.

Fonte: Larissa Calixto/Congresso em Foco
Foto: Arquivo/ Abrabar

MÉDICA QUE TOMOU VACINA CONTRA CORONAVÍRUS CONTA COMO FOI: "QUERO MUITO QUE DÊ CERTO"

Amanda Maria foi uma das voluntárias que tomaram a vacina da Covid-19 (Sars-CoV-2), desenvolvida em parceria com a universidade de Oxford.

A médica residente de pneumologia no Hospital São Paulo, Amanda Maria Reis dos Santos, foi uma das voluntárias a tomar a vacina experimental contra a Covid-19 (Sars-CoV-2). Ela contou como foi o processo e quais os próximos passos para se obter uma vacina contra essa doença.
Amanda tomou a vacina experimental na última terça-feira (30), pela manhã, após se voluntariar. A vacina em questão está sendo desenvolvida no país, em parceria com a Universidade de Oxford. No momento, são vários institutos e universidades que voltaram seus esforços para chegar, o mais rápido possível, a uma vacina eficaz para a Covid-19 (Sars-CoV-2). Mas, para isso acontecer, testes precisam ser feitos e voluntários são necessários para se avaliar a eficácia dos medicamentos.
"Eu quero muito que dê certo essa vacina, e o quanto antes. Principalmente por trabalhar diretamente com pacientes com Covid-19 e acabar correndo risco de me contaminar ou contaminar outras pessoas", declara a médica.
Amanda conta que, depois que se voluntariou, a equipe do estudo entrou em contato com ela e agendou a primeira visita, onde ela respondeu um questionário sobre as condições de saúde e recebeu um termo explicando cada passo do estudo.
"Como eu não preenchia nenhum dos critérios de exclusão e aceitei participar, foi colhida uma sorologia para avaliar se eu já tinha tido contato prévio com a doença. Meu exame veio negativo, então, em 7 dias, eu voltei para tomar a vacina experimental", afirmou.
Amanda conta que no dia de tomar a vacina, ela passou por mais um exame para checar se estava sem o vírus. "No dia da vacina, fiz mais uma sorologia e um teste de gestação (gestantes não podem participar do estudo). Recebi a vacina e fiquei 30 minutos em observação. Quando fui embora, recebi uma cartela de paracetamol e fui orientada a tomar a cada 6 horas nas primeiras 24h", conta a médica.
A metodologia do estudo é composta por formar dois grupos, com mil pessoas cada um. Um dos grupos vai tomar a vacina experimental e outro uma vacina placebo (no caso, usaram da meningite), para que os cientistas possam comparar os resultados. Os pacientes não ficam sabendo qual vacina tomaram, para garantir que os resultados não sejam afetados.
"Eles usam 2 grupos, um que recebe a vacina correta e um que funciona como grupo controle (recebe outra vacina), e avaliam as respostas nos dois grupos comparando as diferenças, pra ver se realmente foi eficaz a vacina, nesse caso a vacina de meningite funciona como um placebo", explica a médica.
Ela disse que o estudo completa ainda vai levar cerca de um ano para ser concluído, mas que resultados parciais podem ser divulgados antes, caso os resultados sejam positivos. "No total serão 6 visitas durante um ano. Já fui em 2. Em cada visita serão colhidos novos exames. O resultado final será em um ano, mas acredito que se os resultados forem bons devem publicar resultados parciais antes", afirmou.
LEIA MATÉRIA COMPLETA AQUI

Fonte: Felipe Freitas/Último Segundo - iG
Foto: Divulgação FioCruz Minas

ARAS ENDURECE MEDIDAS CONTRA BOLSONARISTAS PARA CONTER ISOLAMENTO INTERNO E SE APROXIMAR DO STF

STF e PGR entraram em sintonia, e Toffoli fez elogios públicos a Aras, que defendeu corte em última sessão do semestre.

Isolado internamente e alvo de críticas no Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República, Augusto Aras, usou o inquérito dos atos antidemocráticos para investigar aliados do presidente Jair Bolsonaro e mandar sinais de isenção à própria categoria e ao STF.
A PGR fechou o cerco aos organizadores dos protestos que pediam fechamento do Congresso e do Supremo e realizou ações contra deputados e apoiadores do governo. Além disso, agiu com celeridade no caso dos fogos de artifícios lançados em direção à sede da corte.
Essa postura de Aras foi bem recebida no Supremo, que também tem interesse em manter boa interlocução com a PGR.
Isso porque a punição de pessoas que atacam o STF e estão sendo investigadas no inquérito das fake news depende diretamente do procurador-geral, responsável por denunciar autoridades com foro ou por encaminhar os casos para terem seguimento em instâncias inferiores.
O alinhamento com o Supremo começou justamente na semana anterior ao julgamento que validou a investigação contra ameaças e disseminação de notícias falsas a integrantes do STF.
A disputa com a força-tarefa da Lava Jato, dizem interlocutores de ministros e do PGR, também ajudou a melhorar a relação com o STF, principalmente com a ala da corte crítica à operação.
A reaproximação com o STF ocorre no momento em que Aras enfrenta uma queda de braço interna com um movimento que tenta limitar seus poderes. Nas últimas semanas, ele sofreu quatro derrotas nas eleições para o Conselho Superior do Ministério Público Federal e perdeu a maioria no colegiado responsável por diversas definições importantes do órgão.
No último dia 8, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, afirmou que Aras tem agido com “prudência e parcimônia” e que recebe críticas “injustas”.
A declaração ocorreu quando o procurador-geral mais precisava, cinco dias depois de ter se envolvido em uma polêmica sobre a interpretação do artigo 142 da Constituição.
Em entrevista à Globo, ele afirmou que um Poder que invade a competência de outro perde suas garantias constitucionais e isso poderia ensejar uma atuação das Forças Armadas.
LEIA MATÉRIA COMPLETA AQUI

Fonte: Matheus Teixeira/Folha de São Paulo
Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

GASTO COM MILITAR INATIVO É 17 VEZES MAIOR QUE COM APOSENTADO COMUM, DIZ TCU

Relatório usa números de 2016. Ausência de contribuição patronal, no caso de militares, explica diferença, diz Ministério da Defesa. Pasta prepara proposta de aposentadoria para militares
Relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) aponta que, em 2016, o Tesouro Nacional gastou com pagamento de aposentadoria a cada militar inativo ou pensionista 17 vezes mais do que gastou com cada beneficiário do Regime Geral da Previdência Social (RGPS), que atende aos trabalhadores do setor privado (INSS).
Militares estão fora do projeto do governo de reforma da Previdência, que muda regras para aposentadoria de trabalhadores do setor privado e funcionários públicos e está em tramitação no Congresso. O Ministério da Defesa e Forças Armadas preparam uma proposta específica de previdência para militares.
De acordo com o documento do TCU, enquanto a despesa com cada beneficiário do RGPS custou no ano passado ao governo R$ 5.130,66, na média, com cada militar inativo ou pensionista de militar foi de R$ 89.925,30, também na média.
Uma das razões da diferença é que, no RGPS, a Previdência recebe contribuições tanto de empregados quando de empregadores. O gasto médio do governo de R$ 5.130,66 por ano é motivado pelo fato de que o total dessas contribuições não é suficiente para pagar aposentadorias dos inativos, pensões e demais despesas.
No caso dos militares, o Tesouro Nacional é responsável por todas as despesas porque não há o equivalente à contribuição patronal do setor privado.
Segundo nota do Ministério da Defesa ao G1, nos demais regimes previdenciários, a contribuição patronal pode chegar a 22%. Dos militares ativos e inativos é cobrada uma contribuição de 7% a 9%, destinada somente ao pagamento de pensões. A aposentadoria de militares da reserva é integralmente paga pelo governo.
O levantamento do TCU mostra ainda que o Tesouro gastou, na média, R$ 56.893,32 em 2016 com cada beneficiário do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), que atende aos servidores públicos federais. O valor equivale a 11 vezes o que foi gasto com quem recebe pelo RPPS.
No RGPS estão incluídos desde aposentados pelo INSS até aqueles que recebem benefícios como auxílio-doença. No total, segundo o TCU, eram 29,1 milhões de beneficiários do RGPS em 2016, dos quais 26,9 milhões de aposentados e pensionistas.
Entre os servidores públicos da União, eram 683.560 beneficiários. Entre os militares, 378.870.
LEIA MATÉRIA COMPLETA AQUI

Fonte: FIO

CÂMARAS NÃO PODEM CONCEDER AUMENTO DE SALÁRIOS NESTE MOMENTO. VEJA POR QUE

LEIS DE SOCRRO FINANCEIR, IMPEDE AUMENTO NAS CÂMARAS




LEIA MATÉRIA COMPLETA AQUI

Fonte: Tribuna do Norte
Título Nosso