RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM

RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM
RIO GRANDE DO NORTE

domingo, 30 de setembro de 2018

BOLSONARO DIZ "NÃO TER NADA PARA FAZER", EM CASO DE DERROTA.

Em entrevista ao site do jornal O Globo, o candidato afirmou que Haddad será o adversário do segundo turno.

O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, afirmou, em entrevista publicada pelo site do jornal O Globo, que não teria "nada para fazer" em caso de derrota nas urnas, no intuito, segundo o site, de explicar a frase dita na sexta-feira de que não aceitaria em um resultado das urnas "diferente da minha eleição".
"Sei que não tenho nada para fazer (em caso de derrota). O que quis dizer é que não iria, por exemplo, ligar para o Fernando Haddad depois e cumprimentá-lo por uma vitória", afirmou, acrescentando que "se tiver segundo turno, vai ser o Haddad que vamos enfrentar".
Sobre os protestos que reuniram milhares de pessoas em cidades no Brasil e no exterior, Bolsonaro afirma ter visto "só um certo vulto no Rio de Janeiro e em São Paulo".
"No resto do Brasil, foi um desastre. São apenas minorias contra mim, não existe isso de rejeição de eleitorado feminino ao meu nome", comentou. O texto do site lembra, contudo, que há uma maior taxa de rejeição da sua candidatura entre as mulheres.
Quanto aos próximos passos de sua campanha, Bolsonaro afirma querer participar do debate entre os presidenciáveis a ser realizado na próxima quinta-feira pela Rede Globo, mas que o cirurgião Antonio Luiz Macedo deu uma resposta negativa.
"O problema é que o debate demora três horas e a equipe médica tem preocupação com isso. Outra complicação é que teria que ficar em pé muito tempo", disse Bolsonaro, que, contudo, vai insistir com o médico novamente na véspera do evento.

Fonte: Denise Abarca/Terra
Foto: Henrique Rodrigues / Futura Press / Estadão Conteúdo

DELEGACIA DE PAU DOS FERROS SERÁ INAUGURADA AMANHÃ


QUAL CANDIDATO À PRESIDÊNCIA MAIS GASTOU NA CAMPANHA ATÉ AGORA?

Meirelles e Alckmin contabilizam despesas de mais de 40 milhões de reais cada, enquanto Cabo Daciolo desembolsou pouco mais de 700 reais.

Seria preciso juntar o vencimento mensal de 137 mil trabalhadores brasileiros que recebem salário mínimo (954 reais) para pagar o que os presidenciáveis declararam, até o momento, como despesa de campanha.
Foram 130,7 milhões de reais direcionados, principalmente, para pagar a produção de programas de rádio, televisão e vídeos para a internet. Entre os maiores gastadores destacam-se Henrique Meirelles (MDB) e Geraldo Alckmin (PSDB), que já desembolsaram pouco mais de 40 milhões de reais cada. O que menos gastou até agora foi Cabo Daciolo (Patriota), pouco mais de 700 reais dos 9,1 mil reais que arrecadou.
Cada candidatura à presidência pode, segundo a lei, gastar até 70 milhões de reais no primeiro turno das eleições. Na hipótese de seguir adiante na disputa, as despesas no segundo turno não podem ultrapassar 35 milhões de reais. Os candidatos têm até 30 dias após o pleito para entregar ao Tribunal Superior Eleitoral a prestação final de contas. Durante a campanha, a Justiça Eleitoral solicita o envio de duas prestações parciais.
Henrique Meirelles (MDB) é o candidato que mais dinheiro do próprio bolso tirou para sustentar sua própria campanha. Até agora, ele investiu 45 milhões de reais. Essa também foi a única fonte de recursos da campanha do emedebista.
A maior despesa dele foi com a produção de programas de rádio, televisão ou vídeo, 24,7 milhões de reais, o que equivale quase 60% do dinheiro investido até agora com a campanha. Outra despesa que chama a atenção é a quantia referente à criação e inclusão de páginas na internet, 5,8 milhões de reais. O valor ultrapassa, inclusive, a despesa com adesivos (3,2 milhões de reais).
CLIQUE AQUI PARA LER A MATÉRIA NA ÍNTEGRA

Fonte: Deutsche Welle/Carta Capital
Fotos: Sergio Dutti/Ciete Silvério

EDUARDO BOLSONARO: "MULHERES DE DIREITA SÃO MAIS BONITAS QUE DA ESQUERDA".

Um dia depois do ato que reuniu mulheres contrárias ao candidato do PSL, Eduardo Bolsonaro falou às mulheres que apoiam seu pai.

O deputado Eduardo Bolsonaro afirmou durante ato na Avenida Paulista neste domingo (30/9) que se Fernando Haddad for eleito "ele dará indulto para o Lula no dia seguinte". Ele também disse que se Bolsonaro for eleito, o ex-presidente Lula irá cumprir pena em um presídio comum. Ele ainda pediu para que os eleitores votem de camisa amarela no próximo domingo.
O protesto ocorre um dia depois de manifestações contra o candidato terem acontecido em todas as capitais do país e em cidades no exterior. Atos pró Bolsonaro também foram registrados no sábado (29/9), em menor quantidade.
Segundo o deputado, o resultado da eleição "vai ser igual ao Trump, que venceu quando todos estavam contra ele nos Estados Unidos" — o presidente americano venceu a democrata Hillary Clinton no colégio eleitoral, mas perdeu no voto popular, em 2016.
Um dia depois do ato que reuniu mulheres contrárias ao candidato do PSL, Eduardo Bolsonaro falou às mulheres que apoiam seu pai. "As mulheres de direita são mais bonita que as da esquerda. Elas não mostram os peitos nas ruas e nem defecam nas ruas. As mulheres de direita tem mais higiene", disse o deputado, que ainda criticou o autor do atentado contra Bolsonaro, Adélio Bispo de Oliveira. "Meu pai não tomou uma facada por alguém que queria tomar a carteira dele. Eles estão com medo", concluiu.
No caminhão de som, militantes ressaltam a participação feminina no evento - dizendo que as mulheres são mães, amigas, que cuidam da casa, dos homens e da família.
A primeira a se pronunciar no carro de som foi a candidata a deputada federal pelo PSL, Carla Zambelli: "A nossa manifestação é verde e amarela. Nossa manifestação tem bandeira do Brasil e não de partidos. Somos movidos pelo amor por uma pessoa que vai mudar o país. Finalmente teremos paz com Jair Bolsonaro na Presidência. Ele é o único presidente que irá fortalecer a Polícia Federal. É a primeira vez em décadas que temos um presidente que fala de Deus com lágrimas nos olhos. O nosso estado é laico mas não é ateu", afirmou. Em seguida, a candidata iniciou uma oração, finalizada por "ele sim" pelos manifestantes presentes.
Participam também do ato o candidato do PSL ao Senado em São Paulo, Major Olímpio, o candidato a deputado estadual Delegado Olim (PP) e o dono das Lojas Centauro, Sebastião Bomfim, que subiu no palanque e discursou a favor de Bolsonaro. Ele puxou o coro de "mito, mito"

Fonte: Correio Braziliense
Foto: Nelson Almeida/AFP

A UMA SEMANA DA ELEIÇÃO, A CRISE VOLTOU ÀS RUAS.

Muitos dirão que, comparadas com as multidões maciças da jornada de 2013, as eloquentes manifestações anti-Bolsonaro deste sábado foram miúdas. Outros alegarão que os atos pró-Bolsonaro, mais mixurucas, crescerão a partir deste domingo, para indicar que o pedaço do eleitorado avesso à volta do PT ao poder não pode ser negligenciado. Quem olhar para o asfalto com as lentes caolhas e reducionistas da polarização arrisca-se a perder a essência do que está se passando.
São quatro as mais importantes, as mais básicas características de Sua Excelência o fato. Eis a primeira e mais óbvia constatação: a sociedade brasileira está trincada. A segunda obviedade é alarmante: as eleições presidenciais de 2018 não devolverão o sossego ao país. A terceira percepção é inquietante: Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, líder e vice-líder das pesquisas, apresentam-se como solução sem se dar conta de que são parte do problema. A quarta evidência é exasperante: o que se vê nas ruas é apenas o nariz daquilo que Juscelino Kubitschek apelidou de ''o monstro''.
Na definição de Juscelino, o monstro é a opinião pública. Em 2013, a criatura também ganhou as ruas aos poucos. Do dia para a noite, o que parecia ser uma revolta juvenil contra o reajuste de passagens de transportes coletivos virou uma revolta difusa contra a roubalheira dos agentes políticos e a precariedade dos serviços públicos. O monstro exibiu-se de corpo inteiro. Ele estava em toda parte: nas camisetas, nas faixas, nos broches, nas panelas que soaram nas varandas dos edifícios chiques, na fila da clientela miserável do SUS e, sobretudo, na Praça dos Três Poderes.
Atordoados, os alvos da revolta reagiram da pior maneira. Os partidos deflagraram um movimento de blindagem dos seus corruptos contra a Lava Jato. O monstro desligou-os da tomada. Dilma Rousseff, a presidente de então, acenou com um lote de cinco pactos. Ganha um doce quem for capaz de citar um dos pactos de madame. Sobreveio a sucessão encarniçada de 2014.
LEIA MATÉRIA COMPLETA AQUI 

Fonte: Josias de Souza/UOL

MUNICÍPIO É CONDENADO A PAGAR DANOS MORAIS POR EXONERAR SERVIDORA COMISSIONADA GRÁVIDA.

O município de Santo Antônio de Descoberto/GO foi condenado a pagar danos morais, arbitrados em R$ 8 mil, a uma servidora comissionada que foi exonerada enquanto estava grávida. A mulher receberá, também, as verbas salariais correspondentes ao tempo da gestação e aos cinco meses subsequentes, da licença-maternidade. A sentença é da juíza da 2ª Vara da comarca, Patrícia de Morais Costa Velasco.
“O dano moral advém do fato de a autora ter sido dispensada pelo Município requerido quando estava grávida, momento em que sabidamente a mulher está em situação de maior fragilidade física e emocional. O abalo emocional e psicológico da autora ainda foram agravados em razão do seu bebê sofrer com microcefalia e a ela necessitar da verba salarial para custear os medicamentos, tratamentos e meios de subsistência da criança”, justificou a magistrada.
Na sentença, Patrícia Velasco destacou, também, julgados sobre ausência de pagamento incidirem em danos morais. “A ausência de pagamento, como no caso, assim como o não pagamento do 13º salário e das férias, já tenho por violado os direitos de personalidade do empregado, em especial o da dignidade da pessoa humana, por causa de sua natureza alimentar e que gera reparação por dano moral".
Consta dos autos que a autora foi contratada pela Câmara Municipal de Santo Antônio do Descoberto em 4 de janeiro de 2016 e foi dispensada em 31 de maio do mesmo ano, quando estava com uma semana de gestação. Ela, na época, não comunicou os superiores de sua situação, pois ainda não havia descoberto a gravidez. "Mesmo assim, o fato não isenta o município de pagar as verbas devidas", destacou a juíza.
Mesmo com vínculo comissionado, que implica em livre nomeação e exoneração, a gravidez gera estabilidade provisória. O direito, de acordo com a magistrada, está disposto na Constituição Federal, no artigo 7º e 39.

Fonte: Justiça em Foco

"VIRADA" NAS PESQUISAS DE INTENÇÃO DE VOTO NUNCA ACONTECEU EM ELEIÇÃO PRESIDENCIAL.

Levantamento mostra que vence o 2º turno quem lidera no primeiro.

Última esperança do PT em 2018, a “virada” nunca aconteceu nas sete eleições para presidente desde 1989, e todas as disputas de 2º turno foram vencidas por quem já estava à frente nas pesquisas no primeiro turno. Só duas disputas viram guinadas nas pesquisas de primeiro turno: FHC, em agosto de 1994, após estar 26 pontos atrás de Lula no Datafolha de maio; e Dilma virou em agosto de 2010, após estar 10 pontos atrás de José Serra, em março. Nunca houve uma virada a menos de dois meses da eleição. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
Em 1989, Collor (14%), Brizola (13%) e Lula (12%) estavam empatados em abril. Collor venceu o 1º turno com 30% e se elegeu com 53%.
Na primeira eleição direta Lula foi 3º colocado até 20 dias da eleição, mas foi ao 2º turno com 0,6% de votos a mais que Lionel Brizola.
Em agosto de 2014, Marina Silva aparecia empatada com Dilma em 34% no Datafolha. Aécio tinha 14%, mas conseguiu ir para o 2º turno.
Vencedores das cinco disputas de 2º turno presidencial foram previstos corretamente já na primeira pesquisa após as votações de 1º turno.

Fonte: Diário do Poder
Foto Nossa

TSE NEGA PEDIDO PARA QUE EMISSORAS DEEM ESPAÇO A HADDAD.

O ministro Sérgio Banhos, do TSE, negou um pedido da coligação petista para conceder uma liminar obrigando a Band e a rádio Jovem Pan a concederem espaço para uma entrevista com Fernando Haddad.
Ao negar o pedido, Banhos decidiu aguardar antes uma manifestação das emissoras e do MPE sobre o caso.
Como registramos ontem, a coligação de Haddad pedia “igualdade de oportunidade” depois que as emissoras transmitiram uma entrevista com Jair Bolsonaro.

Fonte: O Antagonista

"FAÇAM POR HADDAD COMO SE FOSSE POR MIM", DIZ LULA EM CARTA À MILITÂNCIA.

Ex-presidente pede empenho na reta final do primeiro turno da eleição.

Em uma nova carta publicada no Twitter, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez neste domingo um apelo à militância do PT para que se mobilize na reta final do primeiro turno da eleição em prol do seu representante, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad. “Peço a vocês que lutem muito pela eleição do Haddad. Saiam de casa todos os dias para fazer campanha e pedir votos para ele. Façam por ele como se fosse por mim”, disse Lula, que está preso desde abril na sede da Polícia Federal, em Curitiba.
As constantes cartas enviadas pelo ex-presidente cumprem a estratégia petista de mante-lo no protagonismo, mesmo ele estando preso e impedido de participar da disputa pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com base na Lei da Ficha Limpa – Lula foi condenado em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá.
Haddad também gravou um vídeo hoje à militância a quem pede “um gás” para chegar ao segundo turno em primeiro colocado. “Isso pode nos dar a vitória”, diz ele.

Fonte: Veja
Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

EDIR MACEDO DECLARA APOIO A BOLSONARO.

O bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), declarou voto no sábado, 29, em Jair Bolsonaro, deputado federal e candidato a presidente da República pelo PSL. O jornal O Estado de S. Paulo apurou que o PRB, partido ligado à Universal, já manifestou internamente predileção por Bolsonaro num segundo turno entre ele e o candidato do PT, ex-ministro e ex-prefeito Fernando Haddad, cenário mais provável segundo pesquisas de intenção de voto. O partido coligou-se ao tucano Geraldo Alckmin no primeiro turno, mas prepara-se para entrar na campanha de Bolsonaro. A informação foi publicada no sábado, pelo jornal O Globo.
O religioso da maior igreja neopentecostal do País e a mais influente eleitoralmente usou seu perfil oficial certificado no Facebook para responder ao questionamento de um fiel da IURD, que desejava saber quem ele apoiaria na eleição para presidente da República.
O corretor de imóveis Antonio Mattos, simpatizante de Bolsonaro, comentou em um vídeo de Macedo, cujo conteúdo não tinha a ver com eleição: “Queremos saber bispo (sic) do seu posicionamento sobre a eleição pra presidente”. O bispo Macedo respondeu de forma direta: “Bolsonaro”.
Em eleições anteriores, a Igreja Universal apoiou a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), hoje candidata ao Senado em Minas Gerais. O PRB, partido ligado à igreja criado durante o governo Lula, participou das duas últimas gestões petistas, mas desembarcou do governo e apoiou o impeachment. A sigla comanda o Ministério da Indústria no governo Michel Temer.
A Universal decidira ficar “neutra” na disputa presidencial, sem fazer declarações oficiais, nem indicar posição. Uma fonte com trânsito na cúpula da denominação disse que a posição poderia ser revista ao longo da semana, e outros líderes religiosos evangélicos esperavam um posicionamento do Bispo Edir Macedo. Oficialmente, a Universal disse à reportagem, na quinta-feira à noite, que “incentiva a todos os cristãos, de todas as denominações, a escolherem candidatos comprometidos com os valores da família e da fé”.
Um dos elos entre a campanha de Bolsonaro e líderes da Universal são os integrantes da comunidade judaica que colaboram com a campanha do PSL e mantêm vínculos com religiosos graduados da igreja. A Universal adotou a simbologia judaica, e o ex-capitão do Exército também passou a se posicionar de acordo com bandeiras defendidas por Israel. Em 2016, viajou ao País com os filhos, e foi batizado no Rio Jordão pelo pastor Everaldo Pereira, da Assembleia de Deus Ministério Madureira.

Fonte: Estadão Conteúdo/IstoÉ

MARCELINO VIEIRA TAMBÉM VAI DIZER #ELENÃO.


SANTA CRUZ/PB: HÁ NECESSIDADE DE ARREGAÇAR AS MANGAS E CAIR EM CAMPO.

Na cidade paraibana de Santa Cruz, os políticos terão muitos problemas para fazer os eleitores mudarem de ideia e votar em seus candidatos. Seja para deputado estadual, federal, senador ou governador, acredito que mais de 50% do eleitorado não tenha nenhuma vontade de ir às urnas no próximo domingo. Esta semana, estive naquela cidade e em diálogos com populares, cheguei a tal conclusão.
E, em alguns cargos eletivos que estarão em jogo, este patamar é bem superior aos 50 pontos percentuais.
E o cenário aponta para uma surpresa nada agradável aos olhos de uma certa liderança política. é aconselhável que caiam em campo, arregacem verdadeiramente as mangas e tentem "salvar a lavoura". por que 2020 é logo ali.


PROFESSOR ROBENILDO LIMA LANÇA VERSOS DE APOIO A BERNARDO AMORIM.

O professor e ex-secretário de educação da cidade de Caraúbas, Francisco Robenildo Lima, escreveu um poema para a campanha do médico Bernardo Amorim.
Defensor ferrenho do projeto "O Dr. Chegou", o professor está convicto da vitória do 70.000 no dia 7 de outubro.
Ontem, durante a carreata/comício naquele município, Robenildo Lima nos repassou os versos, que são veiculados aqui, de forma exclusiva:


O dia "D" tá chegando
Dia sete por favor
Votando por Caraúbas
Terra de grande valor
Que grita com emoção
No dia da eleição
Quero votar no Doutor.

Doutor Bernardo é amigo
E é homem de ação
Tem trabalhado pra o povo
Que reside esse torrão
Se sente caraubense
Por isso, lhe peço, pense
E vote de coração.

O número é 70000
Mil coisas para fazer
Trabalhar pelo oeste
Pra ver o povo crescer
Melhorar a condição
Saúde e educação
Segurança pra você

Na assembleia teremos
Um homem batalhador
Um vencedor de nascença
Tudo na vida enfrentou
Saindo para Natal
Lutando na capital
Até se tornar doutor

Poderia ter ficado
Trabalhando sim por lá
Mas o doutor é do povo
Não abandona o lugar
Voltou para região
Pra o povo dar atenção
E da saúde cuidar.

Dia sete de outubro
Quando as urnas se fechar
O resultado saindo
O povo todo a gritar
Bem forte com muito amor
Agora é o doutor
Que vai nos representar

E assim para encerrar
Um pedido vou fazer
Adquira mais um voto
Pra ele fortalecer
Ele aqui é bem votado
Tá eleito no Estado
E Caraúbas vai ver

O doutor sim, deputado
É um orgulho pra nós
Porque ele é dedicado
E nunca estaremos sós
Dia sete é assim
70000 diga sim
Ele será nossa voz.

Se você tava indeciso
Agora não vai tá mais
Ter um médico deputado
Ficha limpa e capaz
É um presente pra gente
Esse homem é decente
E pra o povo ele faz.

Com ele não tem depois
Resolve com rapidez
É querido em todo canto
Agora chegou a vez
Do Oeste então crescer
Com ele eu vou dizer
É trabalho e sensatez

Professor Robenildo Lima


MANIFESTAÇÃO NA AVENIDA PAULISTA REÚNE APOIADORES DE BOLSONARO.

Ato em São Paulo acontece na tarde deste domingo (30). Pela manhã, apoiadores do candidato do PSL realizaram atos em outras cidades, como Belo Horizonte e Brasília.

Uma manifestação na Avenida Paulista reúne apoiadores de Jair Bolsonaro na tarde deste domingo (30). O grupo começou a se reunir pouco antes das 14h e, por volta das 15h45, os manifestantes ocupavam os dois sentidos da avenida.
Desde a manhã, a via já estava fechada para a passagem de veículos por causa do programa Paulista Aberta, realizado pela Prefeitura.
Em sua maioria vestidos com camisetas verde e amarelas, os manifestantes se concentravam na altura do Museu de Arte de São Paulo (Masp). Até as 16h, eles não haviam iniciado uma caminhada para nenhum dos sentidos da avenida.
Pela manhã, apoiadores do candidato à Presidência da República pelo PSL também realizaram atos em outras cidades do Brasil, como Brasília, Belo Horizonte, Recife, Belém e cidades do Interior de São Paulo.
Assim como em São Paulo, os manifestantes se vestiram de verde e amarelo e, em vários carros, os atos incluíram carreatas com carros e motos pelas regiões centrais das cidades.

Fonte: G1
Foto: Reprodução TV Globo

CIRO GOMES: DECLARAÇÕES DE BOLSONARO DEIXAM CLARO O ANÚNCIO DE UM GOLPE.

A declaração do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) de que não aceitaria o resultado da disputa eleitoral, caso não saísse vitorioso, “deixou claro o anúncio de um golpe”, disse o candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes. O pedetista participou de evento com profissionais da área da saúde, neste domingo, 30, na capital paulista.
Na última sexta-feira (28), Bolsonaro disse em entrevista ao apresentador José Luiz Datena, do programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes, concedida do quarto do hospital Albert Einstein, onde se recuperou de um atentado à faca sofrido no início deste mês, que não poderia falar pelos comandantes militares, mas pelo que via nas ruas, não aceitaria um resultado diferente da sua eleição. Ele ainda reiterou que a única possibilidade de vitória do PT viria pela “fraude”.
“Somando a fala de Bolsonaro com as declarações anteriores do vice, general Mourão, sobre a criação de uma nova Constituição, e ‘juntando lé com cré’ percebemos a iminência de um golpe”, argumentou Ciro.
O candidato do PDT afirmou que os extremismos entre o PT e Bolsonaro vão levar o País a uma guerra civil, como na Venezuela. Bolsonaro e Fernando Haddad (PT) permanecem na primeira e segunda colocação, respectivamente, nas pesquisas de intenção de voto para a Presidência. “Eu reagi, enquanto Haddad ficou calado”, alfinetou Ciro, novamente em referência às declarações de Bolsonaro.
Quanto às manifestações ocorridas ontem (29) contra o presidenciável do PSL, Ciro diz que “as mulheres brasileiras vão salvar o País desse precipício”, que seria uma eventual vitória de Bolsonaro. “Ele já foi derrotado graças ao valor da mulher brasileira”, acrescentou. Os protestos iniciados na internet com as hashtags #EleNão e #EleNunca foram promovidos pelo eleitorado feminino.
“Bolsonaro, agora você já está de alta médica e não tem mais desculpas. Te espero hoje à noite no debate”, arrematou Ciro, sobre o debate que será realizado neste domingo na Rede Record.

Fonte: Estadão Conteúdo/IstoÉ
Foto: AFP

BRASIL PODE PERDER CERTIFICADO DE ELIMINAÇÃO DO SARAMPO, ALERTA OPAS.

Risco existe se surto da doença permanecer por mais de 12 meses.

O Brasil tem até fevereiro de 2019 para reverter os surtos de sarampo registrados em diversas áreas do país – sob pena de perder o certificado de eliminação da doença, concedido pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) em 2016. O alerta foi feito pela assessora regional de Imunizações da entidade, Lúcia Helena de Oliveira, durante a 20ª Jornada Nacional de Imunizações, no Rio de Janeiro.
Dados do Ministério da Saúde mostram que, até 24 de setembro, foram confirmados 1.766 casos de sarampo, dos quais 1.367 no Amazonas e 325 em Roraima.
Há ainda, segundo a pasta, quase 8 mil casos em investigação em ambos os estados, além de casos isolados em São Paulo (3), no Rio de Janeiro (18), no Rio Grande do Sul (29), em Rondônia (2), em Pernambuco (4), no Pará (14) e em Sergipe (4).
Lúcia Helena de Oliveira lembrou que a Venezuela, de onde veio a cepa de sarampo identificada no Brasil, perdeu seu certificado de eliminação em junho deste ano.
Contra o tempo
O critério adotado pela Opas para conferir transmissão sustentada é que o surto se mantenha por um período superior a 12 meses. As autoridades sanitárias brasileiras, portanto, correm contra o tempo, já que os primeiros casos da doença no Norte do país foram identificados no início do ano.
“Sabemos que os casos no Brasil são de importação, lamentavelmente, pelas condições de saúde em que vive a Venezuela. Mas só estamos tendo casos de sarampo no Brasil porque não tínhamos cobertura de vacinação adequada. Se tivéssemos, esses casos viriam até aqui e não produziriam nenhum tipo de surto”, destacou a assessora da Opas.
Atualmente cerca de 4,4 mil municípios atingiram a meta de vacinação estipulada por meio de campanha, o que representa que aproximadamente 1,3 mil cidades permanecem com coberturas vacinais que deixam a desejar.
“As importações continuarão sendo uma ameaça permanente. A única forma de evitar a disseminação do vírus é obtendo coberturas vacinais acima de 95% em todos os municípios – não somente em nível de país”, ressaltou Lúcia Helena Oliveira.

Fonte: Paula Laboissière/Agência Brasil
Foto: Arquivo Agência Brasil

BANDO QUE SE PREPARAVA PARA ATACAR RIVAIS É BALEADO EM TROCA DE TIROS COM POLICIAIS.

Dois suspeitos baleados receberam atendimento em hospital e forma presos em seguida.

Um bando que se preparava para atacar uma facção rival foi preso após troca de tiros com policiais militares na periferia de Fortaleza, na madrugada deste domingo (30). De acordo com os policiais, os criminosos estavam armados e caminhavam em direção a uma praça, onde pretendem matar rivais.
Ainda conforme a Polícia Militar, ao avistar o veículo policial, próximo a uma praça conhecida como "Barro Duro", os criminosos trocaram tiros com os agentes e em seguida tentaram fugir.
Durante a troca de tiros, dois suspeitos foram baleados; eles receberam atendimento e em seguida foram presos. Policiais do 13º Distrito Policial, no Bairro Cidade dos Funcionários, investiga o caso.
Cinco pessoas se preparavam para atacar um grupo rival quando foram abordadas pela polícia, no bairro Sapiranga, em Fortaleza. O grupo caminhava na praça conhecida como "barro duro", por volta das 3h da madrugada deste domingo, 30, e, ao perceber a viatura da polícia, tentou fugir.
No momento do crime, várias pessoas ocupavam os espaços de lazer de praça e se assustaram com o tiroteio. Ninguém além dos suspeitos ficou ferido, conforme relato de testemunhas.

Fonte: G1
Foto: Marina Alves/G1

CRIME DE HOMICÍDIO NO SANTA HELENA EM MOSSORÓ.

No final da matéria vídeo onde Policial Militar que atendeu a ocorrência fala sobre o caso.

O Centro de Integrado de Operações da Polícia Militar (CIOSP),registrou o crime de homicídio de n°193 na manhã deste domingo 30 de setembro de 2018,em Mossoró no Rio Grande do Norte.
A ação criminosa ocorreu no Loteamento Santa Helena.
De acordo com as primeiras informações,a vítima identificada como Wellington Carlos de Azevedo, 36 anos de idade foi alvejada com vários tiros e morreu no local.
Segundo informações da Polícia Militar,a vítima estava limpando um terreno quando os criminosos chegaram em uma carroça efetuaram os disparos.
Tentando escapar da morte,a vítima correu para dentro da residência do seu pai,mas seus algozes invadiram a casa e o executaram.
A família não sabe a que atribuir a ação criminosa,segundo eles Wellington não tinha envolvimento com coisas erradas e que era um trabalhador.
A Polícia Militar se encontra isolando o local de crime,aguardando a chegada da equipe de plantão do Instituto Tecnico-Cientifico de Perícia,(ITEP).
Fonte: Passando Na Hora

HOMOSSEXUAL ESTÁ NA MESMA CATEGORIA QUE ALCOÓLATRAS E BANDIDOS, DIZ CABO DACIOLO.

Candidato voltou a "profetizar" que será próximo presidente, disse que período de jejum em monte o ajudou em debate e relacionou gays a bandidos.

O candidato Cabo Daciolo (Patriota) voltou a repetir que será o próximo presidente da República e já antecipou como serão seus primeiros dias no Palácio do Planalto. "Na primeira semana será de cara a semana da adoração. Vamos adorar a Deus. 'Mas Daciolo, o Estado é laico'. É laico. Ser laico quer dizer liberdade de expressão religiosa. Adore a Deus da maneira que você quiser adorar, mas fale com Deus", disse o candidato em entrevista publicada neste domingo pelo jornal O Estado de São Paulo .
"No oitavo dia vai ter uma auditoria pública, os mais de 14 milhões de desempregados da nação vão ser abraçados pelo presidente da República, por aquele que tem o dever e a obrigação de dar transporte, saúde, moradia, trabalho, lazer", continuou Cabo Daciolo .
Destinar um período importante para "adorar a Deus" não seria novidade para o ex-bombeiro que atuava como salva-vidas em praias do Rio de Janeiro. Logo ao início da campanha, Daciolo abandonou a estratégia de participar de comícios e debates e subiu um monte para jejuar.
“Eu fiquei 21 dias longe da campanha de 45 dias, gastei ao todo até agora R$ 700 na minha campanha. Aí você vê o [Henrique] Meirelles, banqueiro, envolvido com os banqueiros que estão matando nosso povo, gastou R$ 43 milhões. Nos termos da pesquisa em que eu não acredito, nós temos o mesmo percentual, estamos em empate técnico . Como pode isso? Eu vou te falar como, eu tava lá no monte jejuando. Você viu o debate? Sabe porque eu fui bem naquele debate? Porque eu tava 21 dias no monte jejuando”, explicou-se.
O debate em questão foi realizado na quarta-feira (26), quando o candidato parafraseou Ciro Gomes (PDT), foi homenageado por Guilherme Boulos (PSOL) e se destacou ao lamentar a existência de "400 milhões de pessoas na extrema pobreza" no Brasil e ao "profetizar" que será eleito ainda no primeiro turno.
Pastor evangélico, Daciolo disse acreditar que a solução para o "problema maior" representado por guerras, fome, mortes e terremotos é a fé e o clamor a Deus. “Eu creio que a nação brasileira hoje, com 160 milhões de brasileiros cristãos, é a resistência do mundo. Você vê que tem muitas catástrofes acontecendo ao redor do mundo, mas no Brasil não. Por que não acontece no Brasil? Porque aqui tem um povo clamando, meu irmão."
Questionado sobre sua percepção sobre a homossexualidade, o candidato traçou paralelo entre gays e bandidos. "Eu vejo ela [homossexualidade] como qualquer outro problema que ocorre na nação. O homossexual está na mesma categoria de problemas que o alcoólatra, que o corrupto, o bandido, e isso tudo. Está no plano espiritual, se resolve com oração. Respeito todos eles", disse. "Cada ser humano tem suas guerras internas. A palavra de Deus fala que tudo é permitido mas nem tudo convém, quem vai mostrar o que é certo e errado é Deus", completou.
Sobre sua "profecia" em ser eleito no primeiro turno, o deputado não recuou. "Eu sou o próximo presidente da República. Cabo Daciolo 51, sem dinheiro porque eu não preciso de dinheiro, não preciso dessa política suja, nós somos o novo. Tanto os que crêem quanto os que não crêem vão ter que reconhecer que esse Deus existe mesmo, vão perguntar como eu sentei na cadeira e eu responderei: foi Deus.

Fonte: Último Segundo - iG
Foto: Creative Commons/Wikimedia

FÁTIMA SE DIVIDE NO SÁBADO ENTRE MOSSORÓ, CAICÓ E SANTA CRUZ.

Neste sábado, a candidata Fátima Bezerra (PT) passou com a Caravana do Coração por Mossoró, Caicó e Santa Cruz.
Fátima enfatizou as suas propostas para a educação.
Durante as atividades deste sábado, Fátima e o candidato ao Senado Alexandre Motta visitaram o comércio do centro de Mossoró. Já em Caicó e Santa Cruz, eles percorreram as principais ruas das cidades em carreata.

SEM PUDOR, MANIFESTANTES ANTI-BOLSONARO TRANSFORMAM CENTRO HISTÓRICO DE SÃO LUÍS E REVOLTAM FAMÍLIAS PRESENTES.

Parece que o tiro saiu pela culatra. Se a intenção era atrair e obter novas adesões ao movimento, o efeito foi o contrário isto porque manifestantes sem a menor noção de pudor optaram por tirar as vestimentas e manifestarem nus perante pais, mães de família e até crianças, sem se atentarem que estavam cometendo um crime.

Fonte: Valdenor Pereira/A Cidade de Verdade

STAR WARS CONTRA BOLSONARO.

Depois de Madonna e Cher, agora foi o ator Mark Hammil, o Luke Skywalker de Star Wars, que também entrou na campanha contra Jair Bolsonaro.
“#EleNao women deserve MUCH better!”, publicou o ator no Twitter.

Fonte: O Antagonista

DECISÃO DE FUX CONTRA ENTREVISTA DE LULA PROVOCA MAL ESTAR ENTRE MINISTROS DO STF.

Receita de bolo de fubá
O ministro Luiz Fux criou um impasse e acirrou ânimos no STF ao impor censura à Folha e cassar decisão de Ricardo Lewandowski que autorizara entrevista de Lula ao jornal. Não só o conteúdo da sentença suscitou reações, como também o trâmite do caso. O presidente da corte, Dias Toffoli, telefonou aos colegas na manhã deste sábado (29) para tentar evitar uma guerra de despachos monocráticos. Internamente, um magistrado classificou o episódio como “um festival de equívocos lamentável”.
Fora da ordem
Dois ministros disseram ao Painel que, em tese, Fux não tinha atribuição para decidir o caso. Além disso, observaram que o partido Novo, que pediu o veto à entrevista, não tem legitimidade para apresentar pedido de suspensão de liminar, o instrumento usado para derrubar a decisão de Lewandowski.
Regras do jogo
Somente a Advocacia-Geral da União e a Procuradoria-Geral da República —que já decidira não recorrer— poderiam adotar esse expediente, explicam especialistas. Há ainda o fato de que o pedido foi endereçado ao presidente do STF. Toffoli não estava em Brasília, mas estava no Brasil. Tinha, portanto, jurisdição para atuar.
Perdas e danos 
 Lewandowski ficou profundamente irritado com a posição de Fux. Ele disse a outros ministros que o colega usurpou competência da presidência do Supremo e adotou expediente teratológico para reverter sua ordem —que não era uma liminar, mas decisão de mérito.

Fonte: Daniela Lima - Painel/Folha de São Paulo
Foto: Mateus Bonomi/AGIF/Folhapress

CARAMURU PAIVA 1313 RECEBE APOIO DE LUCIANA HANNAH.

De Apodi, vem outro apoio que merece registro, para a campanha do engenheiro agrônomo oestano, Caramuru Paiva, que pleiteia uma cadeira na câmara dos deputados. Falo da jovem Luciana Hannah, que disputou uma vaga como vereadora, naquela cidade da Chapada do Apodi.
O carro-chefe da campanha de Luciana Hannah, foi a juventude, já que a mesma faz parte do grupo petista ligado a essa causa. O PT de Apodi está muito bem representado.
Luciana Hannah gravou vídeo que circula nas redes sociais, declarando seu apoio a Caramuru Paiva 1313, por que o considera compromissado com a juventude.

CITAÇÃO NO MÍNIMO CURIOSA, DO GENERAL PAULO CHAGAS.

O candidato a governador pelo Distrito Federal, Paulo Chagas, que é general do exército brasileiro, veiculou em sua página pessoal, na rede social twitter, uma frase curiosa. 
Eis o post, abaixo. Leia e crie seu próprio pensamento...

UM PROTESTO HISTÓRICO, MENOS NA TEVÊ.

Ao reunir dezenas de milhares, #EleNão provoca maior manifestação liderada só por mulheres no Brasil mas é quase ignorado na tevê.

Dezenas de milhares de mulheres saíram às ruas para bradar #EleNão neste sábado, em cidades de todas as regiões do Brasil. Juntas, produziram as maiores manifestações populares desta eleição presidencial, de longe. Não se sabem números exatos porque a polícia, sintomaticamente, não contou na maioria das cidades. Mas as manifestantes ocuparam densamente amplas áreas da Cinelândia, no Rio, e do Largo da Batata, em São Paulo, para citar só duas. Em uma campanha na qual rarearam os comícios, tamanha aglomeração de gente contra um candidato é notícia. E foi: em inglês, francês, árabe. Mas o brasileiro que passou o dia na frente da tevê não ficou sabendo. A menos que tivesse um celular na mão.
O episódio sintetiza todas as principais marcas da eleição presidencial de 2018 no Brasil. Em lugar da propaganda eleitoral televisiva, quem mobilizou os eleitores contra e a favor de candidatos foram as mídias sociais, notadamente o WhatsApp. Foi uma hashtag distribuída via Twitter, Facebook e Instagram que levou as maiores multidões à rua, não foram anúncios de tevê.
Os efeitos mais profundos dessa mudança são potencialmente revolucionários, pois todo o jogo de poder dentro dos partidos políticos gira em torno da distribuição do tempo de propaganda eleitoral e das verbas públicas. Se a tevê perde influência, perdem junto os caciques partidários que controlam a distribuição de tempo de câmera entre seus correligionários. Também perdem poder de barganha partidos que só existem para negociar minutos de tevê ao formarem coligações eleitorais.
Principal propaganda desse novo jeito de fazer campanha política é o candidato que lidera as pesquisas de intenção de voto e tem menos de 10 segundos por dia de propaganda na tevê. Perca ou ganhe, Bolsonaro é o personagem do ano por ter sido o único candidato capaz de surfar até o fim a onda de conservadorismo que tomou o país como um tsunami, e numa prancha de isopor: sem propaganda de tevê, sem marqueteiro, sem partido. Mas o fez destilando tanto ódio contra tantas minorias que a reação a ele acabou provocando a maior manifestação de rua de toda a eleição.
Não é de agora o movimento de mulheres contra Bolsonaro. Desde o começo da campanha, o capitão reformado sempre teve muito mais dificuldade de vender suas ideias repressivas ao eleitorado feminino do que ao masculino. O #EleNão catalisou o sentimento contra Bolsonaro e transformou algo difuso em uma ação simultânea e concreta de dezenas de milhares de mulheres. Só não foi maior porque a cobertura da campanha eleitoral na tevê é deliberadamente omissa e limitada. Não faz reportagem, entrevista; não investiga, divulga agendas.
Se parte dessa omissão pode ser explicada pelas limitações impostas pela legislação eleitoral que tange o direito à informação dos telespectadores, nem tudo, porém, cai nessa conta. A falta de cobertura ao vivo dos atos do #EleNão e, mais grave, a ausência de contextualização e ênfase nas raras reportagens sobre a mais importante manifestação de rua da campanha eleitoral de 2018 até agora não se deve ao departamento jurídico das emissoras. O movimento não é partidário nem promove nenhuma candidatura específica. É contra um candidato, sim, mas não prega que é melhor votar neste ou naquele outro.
O resultado dessa omissão e falta de contextualização é que coisas diferentes são tratadas como iguais. Uma manifestação de dezenas, no máximo centenas de pessoas em um lugar é apresentada da mesma maneira e com a mesma magnitude que dezenas de milhares de mulheres em dúzias de cidades. Na tela da tevê, o ato solitário pró-Bolsonaro em Copacabana foi equivalente à maior manifestação popular capitaneada por mulheres na história do Brasil. Felizmente, a internet provê o que a tevê omite.

Fonte: José Roberto de Toledo/Folha de São Paulo
Foto: Eduardo Anizeli/Folhapress



NO OESTE, SERIDÓ E TRAIRI, FÁTIMA DIZ QUE VAI RECUPERAR PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO.

Nesta reta final de campanha, a Caravana do coração da coligação Do Lado Certo (PT/PCdoB/PHS), da candidata a governadora Fátima Bezerra (PT) e dos candidatos ao Senado Alexandre Motta (PT) e Zenaide Maia (PHS) tem intensificado as andanças pelo estado.
Neste sábado, ao passar com a Caravana do Coração por Mossoró, Caicó e Santa Cruz, Fátima enfatizou as propostas para a educação:
“Eu quero aqui conclamar meus colegas professores para juntos recuperamos o Plano Estadual de Educação, para reestruturarmos o ensino médio, para que haja uma verdadeira valorização do magistério e para que a UERN volte ter a valorização que merece.”, disse ela.
Durante as atividades deste sábado, Fátima e Alexandre Motta visitaram o comércio do centro de Mossoró. Já em Caicó e Santa Cruz, eles percorreram as principais ruas da cidade com uma grande carreata.

Fonte: Anna Ruth Dantas/Política em Foco