RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM

RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM
RIO GRANDE DO NORTE

sábado, 8 de julho de 2017

"NÃO PRECISA NOS CHAMAR PARA CONVERSAR", DIZ PRESIDENTE DO PT.

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), declarou nesta sexta-feira, 7, que nenhum parlamentar do partido está autorizado a negociar com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Em vídeo, Gleisi defendeu o afastamento do presidente Michel Temer, desde que haja uma solução para a realização de eleições diretas.
"Rodrigo Maia é tão ruim quanto Michel Temer, é farinha do mesmo saco, daquele pessoal que deu o golpe, tirou a presidente Dilma (Rousseff), e mais do que isso, daquele pessoal que está patrocinando os retrocessos contra o povo brasileiro e a classe trabalhadora. Nós não vamos aceitar dizer que isso é uma transição. É 'fora, Maia' também", disse Gleisi.
Caso a denúncia contra Temer seja aceita pelos deputados, o presidente deve ser afastado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por 180 dias até o julgamento do caso. Nesse período, o presidente da Câmara assume interinamente o cargo. Se o peemedebista for condenado, é prevista eleição indireta para um mandato-tampão, na qual Maia é apontado como favorito.
Gleisi destacou que a "solução" para a crise "não pode ser o Rodrigo Maia", e sim a aprovação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para eleição direta. "Nós não vamos aceitar, portanto não precisam nos chamar para conversar. A oposição, o PT, não estará em uma mesa de conversa como essa. Só tem um jeito de consertar o País, é tirar Temer e fazer eleição direta", reforçou.
Na quinta-feira, 6, o presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati (CE), fez um aceno a Maia, dizendo que ele tem condições de fazer uma "travessia" para 2018. Ele admitiu que está conversando com todas as legendas sobre o assunto. "Eu acho que o ideal é envolver todos os partidos, inclusive os de esquerda", defendeu o tucano.
Nos bastidores, o senador petista Jorge Viana (AC) tem participado de encontros com o PSDB e outros partidos da base aliada do governo sobre como seria o cenário "pós-Temer". O objetivo, dizem aliados, não é negociar um acordo, e sim monitorar quais os próximos passos das legendas. Dizem ainda que ele atua "individualmente", e não de maneira partidária.

Fonte: Julia Lindner - Estadão - MSN


Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTÁRIO SUJEITO A APROVAÇÃO DO MEDIADOR.