RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM

RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM
RIO GRANDE DO NORTE

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

MARCELINO VIEIRA: POPULAR DENÚNCIA VENDA DE CASAS DE PROJETOS SOCIAIS.

Uma senhora da cidade de Marcelino Vieira, veiculou em sua página pessoal da rede social facebook, uma postagem cujo teor, ao que parece, é corriqueiro: a aquisição e posterior venda de casas de projeto social.
Liliane Silva foi extremamente categórica, em afirmar que em Marcelino Vieira, algumas casas populares são vendidas pelos primeiros beneficiados com a residência.
E vai mais além e tem maior gravidade ainda, quando cita que após vender a casa popular, conseguem nova moradia, lucrando com o que não pode ser comercializado. 
É, como cita a facebokiana, um comércio ilegal, jocoso e deve ser denunciado as esferas judiciais, no intento de coibir tal prática.
Além, evidentemente, nomear as pessoas que receberam e as venderam, juntamente com aqueles que, caso sejam coniventes, incluem pessoas que já foram beneficiadas, novamente no cadastro.
Independentemente de quem seja, deve sim haver providências imediatas.
Liliane Silva fez o papel de cidadã correta e que aparenta querer ver as normas e regras vigentes, respeitadas.
É inadmissível tamanha prática, conforme narra a vieirense.
O Ministério Público deve ser acionado pelas pessoas que se sentirem prejudicadas e/ou indignadas, o que inclusive também faremos de imediato.
Tamanha denúncia, sendo constatado a veracidade, é passível de processo, já que está sendo lesado o dinheiro do povo.
Nos casos de casas de programa em que o mutuário paga um determinado valor, a mesma somente pode ser  vendida, quando totalmente quitadas.
No caso de moradia onde não há pagamento de parcelas, sob nenhuma hipótese pode ser negociada.
São imóveis que contemplam quem tem renda média inferior ao que o governo entende como improvável de que adquiram casas com a faixa de vencimentos que têm.
Que sejam tomadas providências, independentemente de ser convênio de cunho municipal, estadual e/ou federal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTÁRIO SUJEITO A APROVAÇÃO DO MEDIADOR.