RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM

RNPOLITICAEMDIA2012.BLOGSPOT.COM
RIO GRANDE DO NORTE

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

MARUN AFIRMA QUE JANOT FEZ "ARMAÇÃO" CONTRA TEMER E PEDE INDICIAMENTO.

Deputado assume nesta quinta-feira (14) cargo de articulador do governo.

Relator da CPMI da JBS na Câmara, o novo ministro da Secretaria de Governo de Temer, deputado Carlos Marun (PMDB-MS), pediu, nesta terça-feira (12), o indiciamento do ex-procurador da República Rodrigo Janot e do procurador da República Eduardo Pellela, que foi chefe de gabinete da PGR.
Segundo Marun, Janot promoveu uma "armação" contra o presidente Michel Temer nas duas denúncias apresentadas pelo Ministério Público Federal ao Supremo Tribunal Federal (STF). As duas denúncias foram rejeitadas em votações separadas na Câmara.
Marun, que é aliado histórico do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB) e integra a tropa de choque de Temer no Congresso Nacional, afirmou, em um relatório de 326 páginas, que "houve uma conspiração para afastar o presidente, e a intenção da PGR era interferir na sua própria sucessão. Isso é uma atividade ilícita, para a qual cabe indiciamento".
No documento, ele também pede o indiciamento dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS e sócios do grupo J&F, e do ex-executivo da JBS, Ricardo Saud, e do ex-procurador da República Marcelo Miller. Os irmãos Batista e Saud compareceram à CPMI e exerceram o direito constitucional de permanecer calados. Já Miller respondeu às perguntas dos parlamentares, mas não convenceu o relator.
No caso dos irmãos Batista, Marun pede o indiciamento deles pelos crimes de corrupção ativa, uso indevido de informação privilegiada e manipulação de mercado. O indiciamento de Saud por é pedido por motivo de corrupção ativa e o de Miller, por corrupção passiva e improbidade administrativa, entre outros.
Se aprovado na Comissão, o relatório é enviado como um documento de sugestões para os órgãos competentes.
VEJA MATÉRIA COMPLETA AQUI

Fonte: Jornal do Brasil/Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMENTÁRIO SUJEITO A APROVAÇÃO DO MEDIADOR.